Avançar para o conteúdo

O que é o Efeito Placebo?

A mente pode ter uma influência poderosa sobre o corpo e, em alguns casos, pode mesmo ajudar o corpo a curar-se. A mente pode por vezes até enganá-lo a acreditar que um tratamento falso tem resultados terapêuticos reais, um fenómeno conhecido como efeito placebo. Em alguns casos, os placebos podem exercer uma influência suficientemente poderosa para imitar os efeitos de tratamentos médicos reais.

Mas o efeito placebo é muito mais do que um simples pensamento positivo. Quando esta resposta ocorre, muitas pessoas não têm ideia de que estão a responder ao que é essencialmente um“comprimido de açúcar“. Os placebos são frequentemente utilizados na investigação médica para ajudar médicos e cientistas a descobrir e compreender melhor os efeitos fisiológicos e psicológicos dos novos medicamentos.

Para compreender a importância do efeito placebo, é essencial compreender um pouco mais sobre como e porque funciona.

El efecto placebo es estudiado en psicología y medicina.

O efeito placebo é definido como um fenómeno em que algumas pessoas experimentam um benefício após a administração de uma substância ou tratamento “similar” inactivo. Esta substância, ou placebo, não tem qualquer efeito médico conhecido. Por vezes, o placebo tem a forma de um comprimido (comprimido de açúcar), mas também pode ser uma injecção (solução salina) ou um líquido consumível.

Na maioria dos casos, a pessoa não sabe que o tratamento que está a receber é na realidade um placebo. Em vez disso, eles acreditam ser o destinatário do verdadeiro tratamento. O placebo foi concebido para se assemelhar exactamente ao tratamento real, mas a substância não tem nenhum efeito real sobre a doença que se destina a tratar.

Diferença entre “placebo” e “efeito placebo”

É importante notar que um“placebo” e o “efeito placebo ” são coisas diferentes. O termo placebo refere-se à própria substância inactiva, enquanto o termo efeito placebo se refere a qualquer efeito de tomar um medicamento que não possa ser atribuído ao próprio tratamento.

porque é que as pessoas experimentam mudanças reais como resultado de tratamentos falsos? Embora os investigadores saibam que o efeito placebo é um efeito real, ainda não compreendem completamente como e porque é que este efeito ocorre. A investigação está a investigar porque é que algumas pessoas experimentam mudanças, mesmo quando apenas recebem um placebo. Vários factores podem contribuir para este fenómeno.

Resposta hormonal

Uma explicação possível é que tomar o placebo causa uma libertação de endorfinas. As endorfinas são semelhantes em estrutura à morfina e outros analgésicos opiáceos e actuam como analgésicos naturais do próprio cérebro.

Os investigadores conseguiram demonstrar o efeito placebo em acção utilizando scans do cérebro, mostrando que áreas contendo muitos receptores opióides foram activadas tanto no placebo como nos grupos de tratamento.

Naloxone é um antagonista dos opiáceos que bloqueia tanto as endorfinas naturais como os opiáceos. Depois das pessoas terem recebido naloxona, o alívio da dor com placebo foi reduzido.

Acondicionamento

Outras explicações possíveis incluem a condicionamento clássico a associação entre dois estímulos é formada, ou quando uma associação é formada entre dois estímulos que resulta numa resposta aprendida. Em alguns casos, um placebo pode ser emparelhado com um tratamento real até evocar o efeito desejado.

Por exemplo, se lhe for dado regularmente o mesmo comprimido para a artrite para aliviar as articulações rígidas e dolorosas, poderá começar a associar esse comprimido ao alívio da dor. Se lhe for dado um placebo semelhante ao seu comprimido para a artrite, pode continuar a acreditar que alivia a sua dor porque foi condicionado para o fazer.

Expectativas

As expectativas, ou aquilo que pensamos que iremos experimentar, foram consideradas como desempenhando um papel importante no efeito placebo. As pessoas que estão altamente motivadas e esperam que o tratamento funcione podem ter mais probabilidades de experimentar um efeito placebo.

O entusiasmo do médico prescritor pode até influenciar a resposta do paciente. Se um médico parecer muito convencido de que um tratamento terá um efeito desejável, é mais provável que o paciente veja os benefícios de tomar o medicamento.

Isto demonstra que o efeito placebo pode ter lugar mesmo quando um paciente está a tomar medicamentos reais para tratar uma doença.

Tacos verbais, comportamentais e sociais podem contribuir para as expectativas de uma pessoa sobre se a medicação terá ou não um efeito.

  • Comportamental: O acto de tomar um comprimido ou receber uma injecção para melhorar o seu estado
  • Social: tranquilizar a linguagem corporal, o contacto visual e a fala do médico ou da enfermeira
  • Verbal: Ouvir um profissional de saúde falar positivamente sobre tratamento

Genética

Os genes também podem influenciar a resposta das pessoas aos tratamentos com placebo. Algumas pessoas estão geneticamente predispostas a responder mais aos placebos

Um estudo descobriu que as pessoas com uma variante genética que codifica níveis mais elevados da dopamina química cerebral são mais propensas ao efeito placebo do que aquelas com a versão de baixa dopamina. Pessoas com o alto dopamina deste gene também tendem a ter níveis mais elevados de percepção da dor e de procura de recompensas.

O efeito placebo pode ser utilizado de várias maneiras, tais como na investigação médica e psicológica para aprender mais sobre os efeitos fisiológicos e psicológicos dos novos medicamentos.

Em medicina

Na investigação médica, algumas pessoas num estudo podem receber um placebo, enquanto outras recebem o novo tratamento que está a ser testado. O objectivo é determinar a eficácia do novo tratamento. Se os participantes que tomam o medicamento real mostrarem uma melhoria significativa em relação aos que tomam o placebo, o estudo pode ajudar a apoiar a afirmação da eficácia do medicamento.

Ao testar novos medicamentos ou terapias, os cientistas querem saber se o novo tratamento funciona e se é melhor do que o que já está disponível. Através da sua investigação, aprendem que tipo de efeitos secundários o novo tratamento pode produzir, que pacientes podem beneficiar mais, e se os potenciais benefícios superam os riscos.

Ao comparar os efeitos de um tratamento com um placebo, os investigadores esperam determinar se os efeitos do medicamento são devidos ao próprio tratamento ou se são causados por alguma outra variável.

Em psicologia

Numa experiência de psicologia, um placebo é um tratamento ou substância inerte que não tem efeito conhecido. Os investigadores podem utilizar um grupo de controlo de placebo, que é um grupo de participantes que estão expostos ao placebo ou a uma variável independente de farsa. O impacto deste tratamento com placebo é comparado com os resultados do grupo experimental.

Embora os placebos não contenham tratamento real, os investigadores descobriram que podem ter uma variedade de efeitos físicos e psicológicos

Os participantes nos grupos de placebo mostraram alterações no ritmo cardíaco, pressão sanguínea, níveis de ansiedade, percepção da dor, fadiga e mesmo actividade cerebral. Estes efeitos apontam para o papel do cérebro na saúde e bem-estar.

Beneficios del efecto placebo en psicología.

A principal vantagem de utilizar um placebo ao testar um novo medicamento é que este enfraquece ou elimina o efeito que as expectativas podem ter sobre o resultado. Se os investigadores esperarem um determinado resultado, podem inconscientemente dar pistas aos participantes sobre como se devem comportar. Isto pode afectar os resultados do estudo.

Para minimizar isto, os investigadores por vezes realizam o que é conhecido como um estudo em dupla ocultação. Neste tipo de estudo, nem os participantes nem os investigadores sabem quem recebe o placebo e quem recebe o verdadeiro tratamento. Ao minimizar o risco destes enviesamentos subtis que influenciam o estudo, os investigadores podem observar melhor os efeitos da droga e do placebo.

Um dos efeitos placebo mais estudados e mais fortes é o da redução da dor. De acordo com algumas estimativas, aproximadamente 30-60% das pessoas sentirão que a sua dor diminuiu após tomarem um comprimido de placebo.

Por exemplo, imagine que um participante se voluntariou para um estudo para determinar a eficácia de um novo medicamento para a dor de cabeça. Depois de tomar a droga, ele descobre que a sua dor de cabeça se dissipa rapidamente e sente-se muito melhor. No entanto, fica a saber mais tarde que estava no grupo dos placebo e que a droga que lhe foi dada era apenas um comprimido de açúcar.

Embora os placebos possam afectar a forma como uma pessoa se sente, estudos sugerem que eles não têm um impacto significativo nas doenças subjacentes. Uma grande revisão de mais de 150 ensaios clínicos com placebo concluiu que os placebos não tinham qualquer efeito clínico significativo sobre a doença. Em vez disso, o efeito placebo teve uma pequena influência nos resultados relatados pelos pacientes, especialmente na percepção de náuseas e dor.

No entanto, outra análise realizada quase 10 anos mais tarde constatou que, em populações semelhantes, tanto os placebos como os tratamentos tinham efeitos semelhantes. Os autores concluíram que os placebos, quando utilizados adequadamente, poderiam beneficiar os doentes como parte de um plano terapêutico.

  • Depressão: O efeito placebo demonstrou afectar pessoas com desordens depressivas graves. Num estudo, os participantes que não estavam a tomar qualquer outro medicamento receberam comprimidos de placebo rotulados como antidepressivos de acção rápida ou placebo durante uma semana. No final da semana, os investigadores efectuaram exames PET e disseram aos participantes que estavam a receber uma injecção para melhorar o humor. Os participantes que tomaram o placebo com rótulo antidepressivo, bem como a injecção, relataram uma diminuição dos sintomas depressivos e um aumento da actividade cerebral em áreas do cérebro ligadas à regulação da emoção e do stress.8
  • Gestão da dor: Um pequeno estudo de 2014 testou o efeito placebo em 66 pessoas com enxaqueca episódica, a quem foi pedido que tomassem um comprimido designado – um placebo ou Maxalt (rizatriptano), que é um medicamento conhecido para a enxaqueca – e que classificassem a intensidade da sua dor. A algumas pessoas foi dito que a pílula era um placebo, a outras foi dito que era Maxalt, e a outras foi dito que podia ser qualquer um dos dois. Os investigadores descobriram que as expectativas criadas pela rotulagem da pílula influenciaram as respostas dos participantes. Mesmo quando o Maxalt foi rotulado como placebo, os participantes deram-lhe a mesma pontuação que um placebo rotulado Maxalt.
  • Alívio dos sintomas: O efeito placebo também tem sido estudado em sobreviventes de cancro que sofrem de fadiga relacionada com o cancro. Os participantes receberam três semanas de tratamento, ou o seu tratamento habitual ou um placebo rotulado com um comprimido. O estudo concluiu que o placebo (apesar de ser rotulado como tal) melhorou os sintomas enquanto tomava o medicamento e três semanas após a sua interrupção.
Ismael Abogado

Ismael Abogado

Psicólogo e aprendiz constante da mente e da alma.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *